Vivemos para lutar

esperança

O que seria a vida?

Uma sequência de batalhas duras e espinhosas. É assim para todos. Engana-se aquele que pensa na vida como uma estrada ornamentada de flores.

Há dor!
Há perdas!
Há lágrimas!

E daí? Apesar disso, a luta e a perseverança para buscar a felicidade nos movem. É isso que importa. Apesar das feridas, o desejo de encontrar a felicidade. Ao encontrá-la, experimentaremos. Ao senti-la, sonharemos. Ao falar sobre a vida, necessito citar Gonçalves Dias, que a definiu, perfeitamente, na sua poesia.

“Não chores, meu filho;
Não chores, que a vida
É luta renhida;
Viver é lutar.
A vida é combate,
Que os fracos abate,
Que os fortes, os bravos
Só pode exaltar”.

Portanto, viver é resistir. É não temer. É está pronto para lutar. Às armas, esse é brado! E as derrotas? Elas não serão o foco, pois quem luta com afinco compreende que o ganhar é algo relativo. Vale, então, dividir outra citação de um belo filme, que vale muito a pena assistir – “What Dreams May Come (Amor Além da Vida)”.

“Às vezes, quando a gente perde, a gente ganha”.

Isso mesmo. Dentro de cada um de nós há potência para lutar. E mesmo que a vida seja essa guerra cabulosa, haveremos de conseguir, pois os espinhos nunca serão capazes de ofuscar a beleza das flores. Então, é o momento de entender que nós, guerreiros, lutaremos e que a batalha é e deverá ser diária.

Régis Eric Maia Barros