Para você, jovem médico

crise medicina

Qual conselho eu poderia te ofertar? Primeiro, iniciarei afirmando que você debutará numas das profissões mais belas da história da humanidade. Ela carrega dentro de si os elementos mais importantes da existência – a ética, a ciência e o humanismo. Ela é capaz de acolher, salvar, doar e compartilhar. Diante disso, somos presenteados com a possibilidade de sermos médicos. Algo tão honroso que se torna difícil de materializar em palavras. No entanto, precisamos refletir sobre a nossa narrativa histórica e social. Preciso, a partir disso, destacar que o nosso conhecimento deve ser adquirido além dos textos e compêndios médicos tradicionais. Claro que todos eles são vitais e indispensáveis para nós – médicos e futuros médicos. Contudo, para que sejamos médicos, precisamos ir além da medicina. A medicina precisa de elementos, saberes e ensinamentos externos a própria medicina. Para que sejamos médicos de fato, o nosso olhar demanda ser ampliado. É preciso conhecer além e entender as coisas de forma, também, não médica. É necessário se aproximar das ciências humanas. Então, outros livros de cabeceira e outras leituras são importantes. Se não houver capacidade de interagir respeitosamente e amorosamente com os outros, de que adianta saber de tudo sobre as doenças (etiologia, fisiopatologia, epidemiologia, semiologia, tratamento e prognóstico)? Não servirá de absolutamente nada, pois, desse modo, médicos não seremos! O médico deve ser ético, humano, humilde e ter o conhecimento adequado para a sua função. Infelizmente, a medicina vem se afastando do seu princípio mister – o cuidado para com os outros. Nessa época de convênios e seguros de saúde, os pacientes viraram número. Nessa época de dificuldades na saúde pública, os médicos e os pacientes viraram doentes. Nessa época pobre de valores, a medicina passou a ser um meio e não um fim. Por tudo isso e mais um pouco, ela vem se colocando em crise. Desse modo, peço a ti, jovem médico: resgate a medicina! Vá além do conhecimento curricular exposto nas disciplinas. Você pode e deve mais. Só assim, seremos capazes de resgatar a essência e o respeito da medicina. Infortunadamente, ela vem ruindo e precisamos entender os motivos desse abalo. Por vezes, temos alguma parcela de culpa. Quem sabe nem tudo é provocado pelo sistema e pelo externo. Para você jovem médico, alerto: precisamos urgentemente mudar essa trajetória.

Régis Eric Maia Barros