Papai, o que vai acontecer quando você for para o céu?

A beleza de uma criança aparece na constância dos seus detalhes. A forma como ela enxerga o mundo. A ausência de interesses estruturados. A fala sincera. O sentimento real nas relações com os outros. Tudo isso faz com que ela seja um instrumento vívido de amor e carinho. Tudo isso faz dela um aprendizado constante. O adulto que tiver essa percepção e sensibilidade poderá aprender muito sobre a vida. Basta conversar com elas.

Meu Leozinho fez a pergunta acima, destacada no título desse texto. Assim, respondi:

“Filho, quando papai estiver no céu, eu olharei para você todos os dias. Talvez, você não sentirá os meus beijinhos e os meus abracinhos, mas eu prometo que te beijarei e te abraçarei durante todos os dias. Mas, até eu chegar ao céu, vou aproveitar muito você e o seu irmãozinho, o Benjamin. Se demorar muito para o papai chegar ao céu, melhor ainda, porque nós teremos muito tempo para brincar, viajar, pular e dançar. Às vezes, as pessoas ficam com tanto medo de ir para o céu que se esquecem de aproveitar as coisas de agora. Às vezes, as pessoas ficam tão preocupadas com tempo que falta para ir para o céu que perdem tempo e não vivem. Eu não sei, meu filho, quando eu vou para o céu. Eu só sei que vou aproveitar muito a vida e curtirei vocês todos os dias dela. Quando eu tiver no céu, você também deverá aproveitar a vida. Você deverá dançar, pular, brincar e viajar como o papai fez. Você vai fazendo isso e papai, lá de cima, vai rindo e achando legal. Eu, até, gritarei: “Leozinho! Que legal! Continue!” Como o céu é muito distante, você não escutará, mas eu estarei lá gritando bem muito. Então, no dia que papai estiver no céu, tudo continuará bem por aqui. Você vai aproveitar outras pessoas. Quem sabe você já vai ter sua esposa e os seus filhinhos. Igual ao papai e a mamãe. No dia que papai estiver no céu, estarei, ao mesmo tempo, distante de você e pertinho de você. Nesse dia, papai morará em dois cantos: no céu e no seu coração. Então, é só pensar em papai que eu aparecerei na sua mente para te ajudar em tudo. E se você tiver saudade, basta beijar seus filhinhos que você estará beijando papai e eu estarei beijando você”.

A conversa acabou. Ele saiu correndo para o quintal junto do seu irmãozinho e começou a brincar debaixo da mangueira. Da porta, fiquei olhando aquela cena divina. No dia que estiver no céu, pedirei permissão a Deus para, vez por outra, descer e poder ver, de perto, os meus filhos nos quintais da vida.

Régis Eric Maia Barros