O ser humano e suas exigências

Gabriel Marcel

O filósofo existencialista Gabriel Marcel define o ser humano da seguinte forma:

“O ser humano é definido por suas exigências. Tais exigências, contudo, podem ser aliviadas ou mesmo silenciadas pelo desespero. O mundo partido pode fazer com que as exigências definhem, deixando ao ser humano apenas a vida cotidiana e as necessidades funcionais intactas.”

Com isso, podemos refletir, conforme descrito pelo professor Fatturi, que a diferença que pode existir entre a função das pessoas aprisionadas na tecnologia e a função de ser pai ou de ser cidadão ou de eleitor é que essa pessoa se tornou as listas de consumo que elabora, ela perdeu o sentido do maravilhoso e da exigência por transcendência e começa, lentamente, a morrer, ainda que não tenha nenhuma doença física. Nos casos mais adiantados em que a sua autoidentificação com a função que desempenha se torna total, a pessoa perde o sentido e a intuição de que o mundo é partido e, para ela, se torna um mundo plano. O mundo moderno, além do engano quanto à função, ainda apresenta a tecnologia como sendo a sua natureza. Nesse mundo em que todos e tudo são vistos apenas em termos de suas funções e no qual todas as questões são respondidas através do ponto de vista da técnica, não há espaço para a transcendência.

Uma boa reflexão!

Qual a nossa função nesse mundo tecnológico? Somos nós mesmos ou nossas “funções”?

Régis Eric Maia Barros