Mr. Potter…

harry-potter

Meu Leozinho descobriu um grande prazer em acompanhar a saga de Harry Potter. Em poucos dias, nós já assistimos quase todos os episódios. Ele vivenciou a jornada de Harry desde a infância até a adolescência e início da vida adulta. Com sua cabeça pura de criança, ele compreendeu, do seu jeito, a solidão de Harry pela perda dos pais, mas também percebeu como a vida pode ser reinventada com muita magia e sonho. Os amigos de Harry, seus professores, os animais, os bruxos, as magias e a Escola de Hogwarts fascinam qualquer um e com o Leozinho não foi diferente. Em cada filme, várias mensagens filosóficas podem ser percebidas e destacadas. Basta você ter sensibilidade e atenção que, ao final do filme, você poderá ter uma grata surpresa. Antes de colocar o Leozinho para dormir (uma diária e orgulhosa função minha), eu reflito sempre algo nas nossas conversas pré-sono. Um dia desses refleti com ele sobre como precisamos ser bons e bondosos e que isso está dentro de cada um de nós. Dentro de cada um de nós há também coisas não legais, mas cabe-nos lutar e fazer as boas coisas prevalecer. Isso é uma missão nossa e defendo que é uma missão constante. Podemos e devemos ser bons e justos. Precisamos de caridade e de conforto em alteridade. Isso nos faz um bem tão grandioso que nem podemos medir. Citei para o Leozinho uma frase de Sirius Black, padrinho de Harry que foi morto pela horda do mal do vilão Voldemort. Assim ele disse: “O mundo não se divide em pessoas boas e más. Todos nós temos luz e trevas dentro de nós. O que importa é o lado que escolhemos para agir. Isso é o que realmente somos”. É isso! Podemos ser luz ou trevas. Escolheremos ser o que quisermos ser…

Que, no meu Leozinho, haja muita luz e vontade de iluminar as pessoas e as coisas do mundo!

Régis Eric Maia Barros