Coragem e fé

faiith

 

O que torna alguns corajosos e outros acovardados? Eis uma boa reflexão, pois encontramos pessoas capazes de eliminar os medos e os receios no enfrentamento de tudo. Para esses, demonstramos uma deferência sem igual, porque, talvez, não tenhamos a coragem que eles tiveram.

Portanto, o que alimenta a coragem? Para mim, a reposta é simples – a fé. Não, somente, uma fé divina, embora essa fé seja capaz de fatos fabulosos. Quando falo de fé, refiro-me a percepção de que podemos a despeito das adversidades. E se você parar e pensar, concluirá que nós, de fato, sempre podemos, mas, por vezes, não temos a energia para executar a atitude de poder. O corajoso não. Ele faz diferente.  Ele vai até o fim. Vitorioso ou derrotado, ele se expõe e luta. Dos seus olhos, saem lágrimas. Dos seus supercílios, pinga sangue. Dos seus pés, brotam calos. Das suas mãos, a pele é lacerada. Mesmo assim, ele continua, visto que, a sua fé o alimenta. Toda vez que ele pensa em esmorecer, há uma retroalimentação de confiança.

Essa fé inabalável em si e no divino gera guerreiros. Aquele, que é pobre de fé, perderá. Infelizmente, as derrotas e as esquivas serão pontos comuns da sua vida. O exemplo de que a fé constrói a coragem está materializada no Salmo 91:7 – “Mil poderão cair ao teu lado, e dez mil à tua direita; mas tu não serás atingido”. Portanto, para quem tem fé e, conseqüentemente, coragem, não será fundamental se ater ao poder do seu oponente. O corajoso lutará independente disso. O corajoso aceitará o embate por acreditar em si.

Sempre somos atingidos quando nossa fé falha, mas, por outro lado, ficamos blindados e protegidos pela coragem quando nossa fé ruge. Novamente, ressalto que, embora seja natural correlacionar com o religioso, é preciso entender a fé como algo mais amplo. Uma fé com ressonâncias na filosofia, teologia e psicologia. Teremos vários caminhos para ter fé e para acreditar em nós mesmos. O grande problema é não ter isso. É inviável viver sem fé. A vida questiona, demanda e solicita da nossa fé. Por isso, ninguém é desprovido dela, mesmo que de forma embusteira haja uma tentativa de proteção com o seguinte dizer: “eu não tenho fé em nada”.

Não precisamos ser guerreiros de guerra que enfrentam fortes legiões opositoras. Nós precisamos lutar pelo que é nosso e por aquilo que importa na nossa vida. Mas, sem fé, temos a tendência de deixar essa luta de lado. Sem fé, não temos coragem nem para pensar nas possibilidades de solução. Portanto, entenda que sua fé te move e tua fé te guia. Se assim você entender, certamente, corajoso sempre serás. Então, resta valorizar a fé e alimentar a coragem.

Régis Eric Maia Barros