Até o fim…

amor

Perguntaram-me
O amor morre?
Nunca…
Renasce
Nasce do enlace
Esbanjando o realce
Dos corações
Falam de si
Entre eles se beijam
Por ti rastejam
Até as montanhas
E por mais altas que sejam
Alcança-se
O amor não cansa
Na solidão esbanja
O seu sentido
Na dor que sangra
Ele estanca
Cura o dolorido
Emplasto protetor
Sanativo que revigora
Assim é o amor
Até o fim ele pulsa
No último suspiro
O amor está tranquilo
Quem ama sabe
É mais que sentimento
Transcende qualquer momento
Surreal és tu
Sem igual
Nada parece contigo
Há quem diga: o amor não tem sentido…
Como não?!
Deixe ele em paz
A lógica engana
Então do amor emana incertezas
E dentro da nossa pureza
Amaremos
Amantes somos
Errantes fomos
E daí?
Errar é humano
Acertar é desumano
Mas, amar é os dois
Viva o amor!

Régis Eric Maia Barros