“Até no lixão nasce flor…”

lixão estrutural

Cidade Estrutural, uma cidade satélite no Distrito Federal conhecida, infelizmente, por ser um bolsão de pobreza próximo do famoso Plano Piloto (região nobre de Brasília). Dentre os fatores sociais que destacaram essa Cidade Estrutural, há um bem triste – a existência de um dos maiores lixões da América Latina.

Incontáveis famílias viviam em função do lixo. Por isso, edificações paupérrimas surgiram e se estruturaram bem próximo desse lixão. Numa perícia domiciliar, que realizei no ano passado, vi com meus olhos tais casas. De fato, vi a definição de miséria sem arrodeio. Barracos amontoados. Alguns de lona e outros de papelão. Espaços insalubres e sem o mínimo de dignidade. Esgoto na rua e a céu aberto. Cheiro fétido vindo do lixão ao lado. Urubus preenchendo o cenário e dividindo espaços com homens, mulheres e crianças. Uma visão e cenas que não poderão ser esquecidas por mim. Tudo aquilo bem perto da Praça dos 3 Poderes. Uma fala social do abandono. Uma miséria sem igual que sempre existiu e que ocorria pertinho, mas bem pertinho mesmo dos chefes do executivo, legislativo e judiciário.

E a perícia? Uma avaliação pericial de um jovem com rebaixamento intelectual moderado. Provavelmente, o quadro dele foi consequente a uma gestação sem suporte, inclusive, nutricional e a uma assistência ao parto precária. De certo, uma avaliação simples. Tudo estava bem claro, pois a cognição, o intelecto e a capacidade de aprendizado sempre estiveram bem prejudicados. No entanto, o que mais me marcou foi que, mesmo na miséria e afundado na mais cruel pobreza, a mãe daquele periciando ofertava um amor diferenciado e um carinho digno de nota. A despeito de serem vítimas do esquecimento de todos e do Estado, aquela senhora fazia de tudo ao seu alcance pelo filho. Ela tinha uma árdua jornada no lixão e, com isso, garantia a subsistência e a vida da sua família. Naquela casa pobre e miserável, havia amor. Naquele espaço de lixão, havia flor. Em meio do nada, havia carinho. Lembrei-me de um trecho da música dos Racionais MC’s e de Mano Brown chamada Vida Loka.

“Fé em Deus que ele é Justo,
Ei irmão nunca se esqueça, na guarda, guerreiro,
Levanta a cabeça truta, onde estiver seja lá como for,
Tenha fé porque ate no lixão nasce flor…”

Régis Eric Maia Barros