As minorias

minorias

Atacadas pelos fortes
Sem pena
Sem dó
Históricos chicotes
Pauladas constantes
Desproteção reinante
No lombo deles
As minorias…
Sozinhos no tempo
Reféns do momento
A maioria brada
“todos são iguais”
O certo é ser
Mas, é cego
O que não ver
Ou não que enxergar
De fato, não são
Basta ver a perseguição
Enfrentada por eles
Preconceito!
Açoite!
Exclusão!
Palavras fortes
Isso as minorias sofrem
Um salve a eles
Por favor, salvem eles
Aristotélico e justo
Há de se incluir
Ponto!
Há de se diminuir diferenças
Pronto!
As minorias merecem
A história recontada aparece
Um dia quem sabe
Evitaremos essa dor
Ver minorias trucidadas
Por maiorias alucinadas
Que falam de igualdade
mas, sem lealdade
E muito menos honestidade
Eu sou a favor deles
Sempre, minorias!

Régis Eric Maia Barros