A trajetória da saudade

e a conta da saudade quem é que paga

Por que saudade você nos consome?
Qual é a tua base
Fale seu nome
Olhe nos meus olhos
Me abandone
Saia de mim…
Deixe-me respirar
Minhas recordações a saltar
Memórias que pulsam
Lembranças soluçam
Lágrimas correndo
Em olhos inchados
Sentimento enlouquecendo
Coração apertado
Um elogio ao passado
Assim, tu és ó saudade!
Representas o que foi bom
Mas, a vida corre
Não temos o dom
Do eterno
Acaba-se
Renova-se
Mudamos e perdemos
Crescemos e ganhamos
Mas, o que valeu fica marcado
Mesmo que ultrapassado
Tudo lembraremos
E novamente vivenciaremos
A saudade é uma das nossas realidades

Régis Eric Maia Barros