A poesia

poesia
 
Um ritmo encantador
Confrontando toda dor
O poeta a orquestrar
Uma sinfonia singela
Letras estrelares
Palavras estaladas nos olhares
Daqueles que admiram o poema
O dançar métrico que emblema
O sonho…
Esquecendo os problemas
Vogais e consoantes namoradas
Enamorando a cada linha
O nascimento da esperança
Ventre do amor
A poesia protege os desventurados
Alquimia e magia
Mel nos olhos
Mente em harmonia
Versos em valsa
Fazendo os dias mais leves
Quem se atreve a duvidar?
Ó poeta!
Seu trabalho terapêutico
Arquiteta em mim
A vida, ora repartida
Alivia no outro
A ferida, ora atrevida
Sua sensibilidade permite a vida
A cada poesia
Como poeta e leitor
Sinto-me vivo
Certo do meu viver
Vivendo para acontecer
E se o fim aparecer?
Recitarei, com paixão, meus últimos versos
 
Régis Eric Maia Barros