“A força do amor vai nos salvar”

leo-cat-noir

Há algum tempo eu estou preso a leituras cuja temática versa sobre a maldade humana. Para tanto, eu estou esmiuçando, concomitantemente, três livros: O Discurso do Ódio (André Glucksmann), O Efeito Lúcifer (Philip Zimbardo) e o Holocausto Brasileiro (Daniela Arbex). Nessas obras, a maldade humana é o ponto chave das reflexões. A pergunta de Zimbarbo faz todo o sentido: como pessoas boas se tornam más? Confesso que isso me intrigou e me trouxe certa angústia. A maldade está muito próxima de nós!

Em meio a essa minha dor existencial, eis que vejo o Leozinho correndo pela casa com uma fantasia de um gato negro. Ele a ganhou de presente da sua mãe. Depois de um tempo, eu percebi que a referida fantasia era de um personagem-herói do seu desenho preferido – Miraculous Ladybug.

Nesse desenho, os dois personagens principais (Ladybug e Cat Noir) vivem uma espécie de Lenda de Áquila às avessas, visto que, eles se amam, mas não se encontram para viver esse amor. Ela o ama quando ele está na forma humana e ele a ama quando ela está na forma de heroína. Sempre eles estão próximos e trocando amor e carinho, porém não é possível avançar no ato de amar, pois a sintonia não é efetivada pelo desencontro humano-herói. No entanto, esse amor é a salvação, pois, como descrito nos livros que estou lendo, todos nós podemos, mais cedo ou mais tarde, nos tornar maus. Em outras palavras, tal qual acontece em Miraculous Ladybug, algo pode nos tocar e nos transformar naquilo que nunca sonharíamos em ser. No caso do desenho, uma borboleta negra, tocada pelo mal e chamada de akuma, contamina de maldade o coração e o agir das pessoas. Cada episódio é uma odisséia muito charmosa e, ao final, o amor de Ladybug e Cat Noir é capaz de reverter tudo.

Embora seja bem lúdico e muito inocente frente às diversas facetas do mal, confesso que ver o meu Leozinho vestido de Cat Noir foi capaz de aliviar meu coração e abafar o meu niilismo. Para quem não conhece, o título desse pequeno artigo é exatamente o refrão da música do desenho animado. De fato, a ausência do amor é um terreno fértil para maldade e, talvez, somente o amor será capaz de fazer frente ao mal. Que a força do amor seja capaz de nos salvar…

Régis Eric Maia Barros