A comunicação da angústia

Angústia
Engana-se quem acredita que a angústia é tagarela. Na verdade, a angústia é silenciosa. Ela se comunica sem emitir uma palavra. Ela diz tudo sem que o aparelho vocal seja solicitado. Ela aparece na solidão. Ela se manifesta no olhar. Ela escorre na lágrima doída que corre na rima bucal. A angústia se evidencia, sobretudo, quando estamos sós. Ela susurra a sua presença nos nossos ouvidos. Ela é discreta por mais que seja latejante. A sua intensidade não é medida por decibéis. Quando estamos quietos e perdidos nos nossos pensamentos, ela vem à tona. A angústia fala em alto e bom som sem sequer esboçar um ruído.
Assim, é a angústia…

* Imagens da exposição “The art of the brick” do artista norte-americano Nathan Sawaya